Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Os piscas (2)

12.09.08

Temos então aqueles que insistem em não usar os piscas. Talvez o leitor seja um deles: talvez pense que fazer pisca é irrelevante. Se sim, está no seu direito - tal como eu estou no meu direito de lhe partir a boca toda.
 

Repare, conduzir não é uma obrigação: pode andar a pé, de autocarro, de comboio. Também não é um direito adquirido: é um direito que tem de merecer.
 

Caso ainda não tenha percebido, andam mais pessoas na estrada. Assim como não pode circular sem luzes à noite, não pode circular sem usar os piscas. NÃO É uma questão de opção, NÃO É uma escolha sua - é algo necessário. Eu explico melhor:
 

Talvez não tenha reparado, mas a porcaria do seu carro ou mota tem umas luzes vermelhas atrás, que até nem iluminam grande coisa. Sabe porquê? É para que os outros saibam onde está. Isto é útil sobretudo à noite. Ao saberem onde está, os condutores atrás de si conseguem prever o futuro (verdade!) desta forma: "se ele está ali, é melhor desviar-me, caso contrário faço-o bater com os cornos no pára-brisas".
 

Pois bem, surpresa: os seus piscas servem exactamente a mesma função - permitem aos outros prever o futuro, e tomar melhores decisões. E isto é válido até em simples mudanças de faixa.
 

Se um condutor faz pisca para se meter à minha frente, eu conto com isso, e geralmente deixo que o faça. Fico com a noção das suas intenções, e do que se vai passar. Todos à nossa volta ficam com a mesma noção.
 

Já se alguém surge à minha frente sem fazer pisca, é legítimo supor que: perdeu o controlo do veículo; está bêbado; está distraído; ou conduz ao calhas, como um tonto. Em qualquer dos casos, não serve para conduzir.
 

Mais: ao fazer uma manobra ou parar na via sem fazer pisca, perde o direito a lá estar. Considero-me no direito de abalroar qualquer condutor que não faça pisca, sem ter de dar quaisquer explicações. E é o seguro dele que me deve pagar.
 

Caso o leitor seja um bom condutor (o que estatisticamente é duvidável), convido-o a aplicar o mesmo tratamento:
 

1. Ao ver o cretino a mudar de faixa ou a virar sem fazer pisca, vá atrás dele, e dê-lhe uma valente panada por trás.
2. Quando ele sair do carro para mandar vir, aplique-lhe um forte soco no estômago, de preferência fazendo-o vomitar. Poderá assim assentar-lhe gentilmente a cara dentro do próprio vómito.
3. Enquanto ele recupera os sentidos, aponte os dados do veículo e da apólice, e despeça-se dizendo: "A culpa foi sua. Aprenda a usar os piscas, ou passe a andar de transportes. Fico a aguardar o pagamento do seu seguro".
 

É uma regra simples, até para um português: se alguém o pode ver, deve fazer pisca. Sempre.

Autoria e outros dados (tags, etc)


3 comentários

Imagem de perfil

De raio a 25.09.2008 às 23:10

os piscas e a buzina poderiam ser considerados acessórios opcionais em Portugal ... tal é a falta de uso no momento em que o deveriam ser...
não buzinar em vias estreitas nas curvas sem visibilidade é o pão nosso de cada dia ... tal como a falta de piscas afim de avisar os outros condutores ... parecendo que os condutores portugueses gostam de aparecer e fazer surpresas ...
Saudações Bloguisticas
Raio
Sem imagem de perfil

De trainzeiro a 17.10.2008 às 15:49

A mim e a esse gajos apetece-me chegar lá e partir o manípulo dos piscas. Assim, mesmo que queira nunca mais fará pisca.
Sem imagem de perfil

De alex a 06.08.2010 às 09:17

Haha , técnicas bastantes exageradas e engraçadas para resolver a situação dos piscas.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor